EFICIÊNCIA OU EFICÁCIA? QUAL A MELHOR DEFINIÇÃO PARA VOCÊ E SUA EMPRESA?

Quem nunca se confundiu com a definição e aplicação dessas palavras simples, parecidas, mas com conceitos diferentes? Eficiência e Eficácia. Sem medo de errar, essa é uma das dúvidas mais frequentes da área de Negócios. Uma das principais funções de um gestor é cumprir metas, com prazos estabelecidos, da melhor forma possível e com o menor número de erros. Nesse processo estão envolvidos dois critérios para o cumprimento dos objetivos: eficiência e eficácia.

Mas afinal, qual a diferença? É possível ser eficiente, mas não eficaz?

Segundo o pai da Administração moderna, Peter Drucker, a definição é:

Eficiência:

Consiste em fazer certo as coisas: geralmente está ligada ao nível operacional, como realizar as operações com menos recursos, menos tempo, menor orçamento, menos pessoas, menos matéria-prima, etc…

Eficácia:

Consiste em fazer as coisas certas: geralmente está relacionada ao nível gerencial.

Dentro no universo empresarial ou da nossa vida cotidiana, esses dois conceitos se misturam, mas não precisam necessariamente estarem separados um do outro. É possível ser eficiente e eficaz ao mesmo tempo, mas é mais difícil encontrar um profissional com esse perfil.

Fazer as coisas de forma certa com o menor uso de recursos e tempo possível, dominar o processo, ser habilidoso e rápido é eficiência. Fazer com que as coisas certas sejam feitas, é eficácia. Por exemplo: Contratar um serviço de BPO é ser eficaz, já o serviço que eles prestarão deverá ser eficiente. O Departamento Comercial da empresa é agressivo, competente, corre atrás de resultados para a empresa…eles são eficientes! Mas quando fazem uma venda consultiva, uma proposta irresistível e fecham um contrato, eles são eficazes! O mesmo se aplica as demais áreas da empresa como a decisão do gestor em mapear processos, organizar o fluxo de caixa da empresa, etc.

A eficácia conciliada com a eficiência é mais difícil de se encontrar nos profissionais atuais, pois alguém eficaz e eficiente, apresenta os resultados propostos em curto prazo, com qualidade e sem cometer muitos erros. Este é considerado o gestor ideal.

Para entender melhor as diferenças, assista o vídeo abaixo:

Se gostou do texto e gostaria de receber mais conteúdos, cadastre-se no blog da Anadi logo abaixo.