Novidades da empresa

, , ,

o que é industria 4.0. Saiba mais

O que é Industria 4.0 ?

Ultimamente estamos ouvindo falar muito em Transformaçao Digital e seus impactos no mundo dos Serviços em geral (vide Uber, Airbnb, Netflix, entre outros.) Mas e a industria? não entrará nesta onda de automação digital?

Senhores, Bem vindo a INDUSTRIA 4.0.

Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial é uma expressão que engloba algumas tecnologias para automação e troca de dados e utiliza conceitos de Sistemas ciber-físicos, Internet das Coisas[1] e Computação em Nuvem.[2][3][4]

A Indústria 4.0 facilita a visão e execução de “Fábricas Inteligentes” com as suas estruturas modulares, os sistemas ciber-físicos monitoram os processos físicos, criam uma cópia virtual do mundo físico e tomam decisões descentralizadas. Com a internet das coisas, os sistemas ciber-físicos comunicam e cooperam entre si e com os humanos em tempo real, e através da computação em nuvem, ambos os serviços internos e intra-organizacionais são oferecidos e utilizados pelos participantes da cadeia de valor.[2]

Estas novas tecnologias trazem inúmeras oportunidades para a agregação de valor aos clientes e aumento de produtividade de processos, mas sem o enfoque adequado podem desperdiçar grandes investimentos, com poucos resultados.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
o que é industria 4.0

o que é industria 4.0

 

 

 

 

 

IOT, Impressão 3D, inteligencia artificial, SynBio, etc.

Onde você esta agora? é melhor se preparar, leia abaixo um pouco mais sobre isso ou fale conosco,

1. UM POUCO DA HISTÓRIA…

Antes de falarmos sobre a indústria 4.0, vamos passar rapidamente nas revoluções anteriores.

Máquinas a vapor – indústria 1.0 ou a primeira revolução industrial iniciou aproximadamente uns 250 anos atrás com o aumento da produtividade da indústria têxtil com as fábricas mecanizadas através das melhorias de James Watt com a máquina a vapor de Newcomen no século 18.

Produção em série – Em 1913, após a introdução da linha de montagem por Henri Ford, iniciou a segunda revolução industrial, a indústria 2.0, no qual resultou em um grande aumento na produção do modelo T chegando a um volume de 15 milhões. E assim, outras fábricas começaram a aplicar as linhas de montagem para o aumento da eficiência e produtividade e redução de custos.

Sistemas automatizados – Já na indústria 3.0, nos anos 70, iniciou a montagem automatizada com a aplicação de computadores no chão de fábrica, uso de CNC em centros de usinagem, máquinas de inserção de componentes, etc, com isso os trabalhos mecânicos realizados por seres humanos começaram a ser executados por robôs computadorizados. E hoje, graças a estas fábricas altamente automatizadas nos proporcionam a oferta de smartphones, tablets e diversos produtos eletrônicos a um preço que podemos pagar.

2. O QUE É A INDÚSTRIA 4.0?

O termo indústria 4.0 foi utilizado pela primeira vez em 2011 em uma feira de Hanover, refere-se à quarta revolução industrial, e foi originada de um projeto de estratégia de alta tecnologia do governo alemão, promovendo a informatização da fábrica.

Resumidamente é um conjunto de tecnologias baseada nos conceitos e nas respectivas interações entre os sistemas cyber-físicos, a Internet das Coisas e o Big Data, assim tornando uma “fábrica sem papel”, facilitando a visão e as tomadas de decisões por humanos da fábrica inteligente.

 

Exemplo de uma indústria 4.0

Para exemplificar um cenário de indústria 4.0, vamos analisar uma usina de álcool e açúcar.

Para uma melhor compreensão, vamos dividir basicamente em 2 momentos, a primeira seria a coleta das informações e na segunda o grande sistema realizando as ações.

Dados internos e externos

  • (Dados Externo) Meteorologia – Recebeu a informação da previsão do tempo que em 3 dias haverá um grande volume de chuva.
  • (Dados Externo) Agência de Notícias – As notícias informam que o governo deverá ampliar os estoques em 15% de etanol até o final da safra.
  • (Dados Externo) Bolsa de Mercadorias e Futuro – O mercado está sinalizando que o preço do açúcar poderá subir até 3% até o final da safra.
  • (Dados Externo) Fornecedor – Com o aumento da produção, o fornecedor informou que não conseguirá atender a demanda projetada.
  • (Dados Interno) Sistema de Gestão da Produção – Na próxima semana, o sistema de gestão da fábrica, com os dados recebidos dos coletores das máquinas, informa que será preciso realizar paradas planejadas de manutenção preventiva para duas máquinas.

Ação

  • Decisão – Após os dados recebidos, o “grande sistema” inicia a tomada de decisão de forma automática com os parâmetros previamente informados pelos gestores.
  • Ações do “grande sistema”
  • Devido as chuvas previstas nos próximos dias e o aumento da demanda do governo, o sistema automaticamente inicia as intervenções e os ajustes necessários, como a configuração dos novos setups nos CLPs, para o aumento da produção e da produtividade.
  • Com a previsão do aumento do preço do açúcar no mercado futuro, o caldo primário também é direcionado para o aumento da produção de açúcar.
  • É disparado o processo de compra de um fornecedor alternativo e também a reserva dos insumos para o aumento da produção.
  • Com o aumento da produção, as paradas planejadas para as manutenções preventivas são reprogramadas para uma data, afim de atender a maior demanda, não afetando a disponibilidade das máquinas.

Agora imagine que todas estas informações foram consolidadas por um “grande sistema” e que ele próprio já toma decisões de forma autônoma, sem a interferência direta das pessoas, mas também poderia oferecer possíveis soluções para os gestores. Isto é um simples exemplo e conceito de uma indústria 4.0.

Portanto na indústria 4.0, as tomadas de decisões podem ser mais assertivas e de forma autônoma, sempre baseado em dados internos (dentro da fábrica) e externos (fora da fábrica).

3. FATORES QUE DEFINEM A INDÚSTRIA 4.0 

  • Interoperabilidade
  • Virtualização
  • Descentralização
  • Tempo Real
  • Orientado a serviço
  • Modularidade

Portanto, na indústria 4.0 temos:

  • Sistemas e sensores inteligentes que informam para as máquinas como elas devem trabalhar e como estarão envolvidos em cada estágio do processo de manufatura, assim fornecendo os dados, como o feedback, afim de obter um maior controle da produção.
  • Os processos devem ser auto-gerenciados em um sistema modular descentralizado. Sistemas embutidos inteligentes começam a trabalhar em conjunto com a troca de dados e informações, de forma direta e também através da ”nuvem” na Internet. Com isso, os sistemas de controles industriais serão mais complexos e distribuídos, possibilitando um processo mais flexível e bem minucioso dos processos.
  • Os sistemas centralizados rígidos de controle das fábricas cedem agora seu lugar para inteligência descentralizada, com a comunicação máquina com máquina (M2M) no chão de fábrica.

A indústria 4.0, ainda é mais um conceito do que uma realidade, mas está sendo motivada por três grandes mudanças no mundo industrial produtivo:

  • Avanço exponencial da capacidade dos computadores.
  • Imensa quantidade de informação digitalizada – Big Data
  • Novas estratégias de inovação (pessoas, pesquisa e tecnologia)

Em um curto espaço de tempo veremos todas as tecnologias interligadas e propiciando as tomadas de decisões no conceito da indústria 4.0.

4. REVOLUÇÃO OU EVOLUÇÃO? 

As revoluções industriais não ocorreram em apenas um dia, e sequer reconhecida como tal na época. A Indústria 4.0 pode ser revolucionário ou evolucionário, independente disso, isto é uma consequência natural da comunicação M2M (Máquina para Máquina) e IOE (Internet de todas as coisas) na automação do chão de fábrica, assim proporcionando uma produção com um menor custo e com uma melhor rentabilidade.

O certo é que a produção industrial será muito mais eficiente e certamente mais lucrativa, portanto o melhor que podemos fazer é tornar isto uma realidade.

 

 

 

Single Sign-on: como funciona o acesso único a sistemas internos

pspanO Single Sign-on é uma forma de simplificar múltiplas credenciais de acesso. Para empresas, esse tipo de sistema pode aprimorar a agilidade de processos e até a segurança digital./span/p

pspanHoje, uma das formas mais comuns de se realizar controle de acesso lógico para documentos, aplicações e softwares é com uma simples etapa de login e senha. Mas isso se torna um problema quando o volume de credenciais o qual se deve memorizar é grande./span/p

pspanUm sistema de Single Sign-on pode ser a solução para esse desafio. Neste artigo, vamos explicar como essa tecnologia funciona e porque ela é mais ágil e segura. Confira!/span/p

h2spanComo simplificar o controle de acesso com o Single Sign-on/span/h2

pspanO Single Sign-on, ou SSO, é o nome dado para ferramentas que unificam o controle de acesso de diversos aplicativos e serviços em uma única etapa de autenticação. Ou seja, um usuário consegue acesso a múltiplos sistemas como o /spana href=”http://anadi.com.br/erp-revolucionar-sua-empresa/?utm_source=blogamp;utm_campaign=rc_blogpost”spanERP/span/aspan, /spana href=”http://anadi.com.br/importancia-ter-um-crm-trabalhando/?utm_source=blogamp;utm_campaign=rc_blogpost”spanCRM/span/aspan, e-mail e outros com apenas um único nome de usuário e senha./span/p

pspanO SSO é especialmente útil para empresas que lidam com múltiplos softwares e aplicações que demandam autenticações diferentes. Centralizar tudo em uma única identidade é mais prático para o usuário final e também para a TI, além de ser mais ágil e seguro./span/p

pspanQuando os usuários precisam memorizar uma série de logins e senhas para acessar suas aplicações de uso rotineiro, as chances de que eles relaxem na segurança é bem maior, aumentando a possibilidade de uma brecha que permita acessos não autorizados em um desses sistemas./span/p

pspanAlém disso, se um colaborador precisa se lembrar de várias formas de acesso, é possível que, em algum momento, ele se esqueça ou confunda algumas delas, o que faz com que ele desperdice tempo em um processo de recuperação do acesso./span/p

pspanUtilizar o Single Sign-on simplifica isso, pois é preciso memorizar e garantir a segurança de uma única senha. Um bom exemplo de ferramenta que faz tudo isso é o /spana href=”https://www.fluig.com/identity?utm_source=blogamp;utm_campaign=rc_blogpost”spanIdentity, da fluig/span/aspan./span/p

h2spanComo o Single Sign-on pode ajudar a gestão de identidades e acessos/span/h2

pspanEm uma empresa com vários setores e múltiplos softwares e aplicações utilizados pelos seus colaboradores, um dos desafios da TI é gerenciar as autorizações de acessos de tantos usuários e conteúdos./span/p

pspanNão é interessante, por exemplo, que colaboradores do financeiro tenham acesso a toda a plataforma e /spana href=”http://anadi.com.br/como-um-software-pode-ajudar-na-gestao-de-rh/?utm_source=blogamp;utm_campaign=rc_blogpost”spandocumentos do RH/span/aspan e vice-versa. Além disso, em alguns negócios pode ser importante que algumas informações sejam sigilosas para parte do time, incluindo aí segredos comerciais e dados valiosos de pesquisas./span/p

pspanO Single Sign-on pode ser uma boa ferramenta para facilitar a chamada Gestão de Acessos e Identidades ou GIA./span/p

pspanBoa parte das ferramentas de acesso único facilita a implementação de restrições e permissões específicas de acesso, o que simplifica o trabalho da TI, que não precisa realizá-la em inúmeras outras aplicações./span/p

pspanCom isso, cada pessoa conseguirá utilizar apenas aqueles sistemas e aplicações que ela está devidamente autorizada e sem precisar logar em todos eles para isso./span/p

pspanMais uma vez, uma boa ferramenta que permite isso é o /spana href=”https://www.fluig.com/identity?utm_source=blogamp;utm_campaign=rc_blogpost”spanIdentity/span/aspan, o qual possui uma interface visual que facilita a seleção do conteúdo que cada colaborador pode acessar nos sistemas da empresa./span/p

pspanAgora que você já sabe o que é o Single Sign-on e como ele pode ajudar a proteger as informações da sua empresa, que tal assinar nossa newsletter e ficar por dentro dos melhores conteúdos de gestão, tecnologia e ERP?/span/p

,

Darwin, Evolução e Transformação Digital

Charles Darwin e Transformação Digital ?

Charles Darwin (1809-1882 ) foi um naturalista inglês, autor do livro “Da Origem das Espécies”. Formulou a teoria da evolução das espécies, anteviu os mecanismos genéticos e fundou a biologia moderna. É considerado o pai da “Teoria da Evolução das Espécies”.

O que isso tem a ver com a sua empresa exatamente neste momento?

Pergunta: Você sabe porque Empresas Gigantes como MESBLA, MAPPIN, OLIVETTI, BLACKBUSTER, KODAK, XEROX, entre várias outras que simplesmente desapareceram ou são praticamente insignificantes hoje?
Resposta: Elas não agiram com a velocidade necessária diante da Tecnologia e as mudanças e evoluções que foram ditadas pelos seus mercados e as necessidades novas criadas pelos clientes. Mesmo sendo as lideres absolutas dos seus respectivos setores, elas ainda assim desapareceram rapidamente do cenário pois não souberam acompanhar a tecnologia se posicionar perante as mudanças que apareceram. Desta forma viraram verdadeiros “fosseis” respeitáveis do passado…

 

Não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças.
Charles Darwin.

 

Mas o que Transformação Digital tem a ver com Evolução das Espécies?

Imagine você, em um dia comum, tomando um café ou bebendo uma cerveja a noite em algum local com seus amigos e de repente, se dá conta que esqueceu que no dia seguinte iria a uma importante festa e que tinha que comprar salada, carne, cerveja e um presente. A festa era importante e a aniversariante uma grande amiga ou parente que sempre lembra de você em todos os eventos !  E já eram 21;30 da noite e você não teria como ver preços, locais, comprar o presente e ir buscar antes da festa !….

Neste momento você calmamente pega seu SmartPhone, abre o Aplicativo do Pão de Açúcar( *), escolhe a salada, carne e bebidas, já faz o pagamento pelo seu Paypal ou cartão de credito já seguramente cadastrado no aplicativo, agenda a entrega para o local da festa que chegará fresquinho e no horário, tudo isso você gastou por volta de 5 minutos, logo depois acessa o Aplicativo da Giulina Flores(*), escolhe um lindo arranjo de flores, um cartão com textos de aniversários, personaliza ele na hora, enquanto toma um gole da sua cerveja ou café, agenda a entrega para o dia seguinte, paga com seu link do Paypal ou Cartão de Crédito e seguramente fecha seu SmartPhone e continua sua reunião tranquilamente com seus amigos.!

Bom, esse futuro, já existe e você pode fazer isso HOJE mesmo!

 

“Sim, mas na minha empresa eu não vejo como fazer essas automações..”

 

Será que não? Quais são as informações que seus clientes, fornecedores, colaboradores necessitam e sempre precisam ligar na empresa, ou enviar um e-mail pedido, ou mesmo esperar chegar as 08.00hs da manha do dia seguinte para solicitar para alguém ou departamento de sua empresa?

Será que grande parte destas informações não poderiam estar estruturadamente acessível ?  Neste momento, enquanto eu escrevo esta matéria, me lembrei que precisava comprar passagens e alugar um local para um grande e importante evento de Marketing que vamos participar em Florianópolis em Outubro. Já reservei o VOO e Aluguei uma casa para 6 pessoas usando AirBnb(*) e Submarino Viagens(*).

E você, o que pode fazer pelo seu cliente para tornar a vida dele mais próxima de você? Mais prática e mais Digital?  Será que seus concorrentes já não estão pensando exatamente nisso agora?

Preparei pessoalmente um e-Book gratuito (clique aqui para Download) falando um pouco de como e porque criar estrategias para ajudar o entendimento do próximo passo.

 

Um forte e Fraternal Abraço !

Marcus Feixas